Meus garotos de Liverpool

Boca seca, garganta fechada, olhos lacrimejando, coração palpitando, mãos tremendo e a cabeça em parafusos. Essa era eu ontem de manhã momentos antes da minha defesa de monografia. Sem dúvida, foi um dos dias mais lindos da minha vida. E foi lindo pela mistura de sentimentos. Tristeza e alegria. Alívio e medo. Prazer e agonia. Realização e um recomeço.

Passar por uma faculdade é bem mais do que frequentar corredores, blocos, restaurante universitário, biblioteca, coordenações, diretório acadêmico, é bem mais do que ter aulas chatas ou incríveis, é bem mais do que ficar até de madrugada terminando trabalhos de última hora, é bem mais do que querer matar professores ou ser amiga de alguns para sempre. É bem mais do que tudo isso.

E defender a sua monografia é bem mais do que medo, ansiedade, orgulho, satisfação, tensão, prazer. É tudo junto e outras coisas que eu não consigo definir quais são. Tive o privilégio de falar dos Beatles na minha monografia. Banda que eu AMO desde criança. A minha banda.

Só por isso me deu muito medo. Tive medo de não estar à altura deles. Tive medo de não conseguir colocar no papel tudo aquilo que eu aprendi não só nos livros, jornais e tudo que eu pesquisei, mas tudo aquilo que eu vivi também. No último ano, respirei mais Beatles do que em todos os meus 22 aninhos beatlemaníacos.

Eles estiveram e sempre estarão presentes em todas as fases da minha vida. Simplesmente porque eles já fazem parte de mim de uma forma inexplicável. E foi inexplicável o que eu senti ontem de manhã.

Enquanto eu discursava sobre a história deles, do rock, dos mitos, da música e todo o meu trabalho, não parava de ouvi-los cantando para mim. As imagens daquelas fãs histéricas dos anos 60 iam e voltavam na minha cabeça. Eu queria que elas estivessem ali me vendo. Esse trabalho foi para elas também. Elas que viram eles de perto quando todos estavam juntos. É, mas elas não estavam ali. Nem elas, e nem eles todos juntos também. Na minha frente, só os professores da minha banca e alguns dos meus melhores amigos.

Fã e "pesquisadora"
Fã e “pesquisadora”

Conclui minha pesquisa ainda mais fã dos Beatles, como se fosse possível. Estou orgulhosa DEMAIS pelo que fiz. Pode ser que tenha sido exagerado demais. Pode ser que eu enquanto “pesquisadora”, falhei porque não consegui me desligar do “objeto de estudo”. Essas formalidades todas, confesso, enchem o saco e dão até um desânimo em continuar na vida acadêmica, mas serviram para que eu pudesse ver que eu fui eu do começo ao fim do trabalho: exagerada, dramática, tendenciosa e apaixonada.

Não tem jeito, quando o assunto é Beatles não consigo ser de outro jeito. Desculpa, sociedade acadêmica!

Tirei um lindo 10 e chorei no final. Já esperava por isso. Não pelo 10, mas pelas lágrimas. Por mais que eu soubesse que meu trabalho estava bom, ouvir isso de professores tão competentes foi uma surpresa. Mas querem saber? Moneatles ficou foda mesmo e é o melhor trabalho de Jornalismo que aquela UFMT já viu! YEAH! Eu disse que era exagerada e tendenciosa…

Faria tudo de novo e do mesmo jeito. Com o mesmo aperto no coração, com as mesmas noites mal dormidas digitando parágrafos intermináveis. Com a mesma emoção em descobrir coisas novas da vida deles. Com a mesma falta de fôlego ao ver entrevistas e documentários deles. Com o mesmo medo e a sensação de “não vai dar tempo!”. Faria tudo com o mesmo amor.

E se eu dia alguém pegar esse trabalho, lê-lo inteiro e por algum motivo se interessar pelos Beatles, baixar algumas músicas, assistir alguns vídeos e curtir qualquer coisa deles, pronto, missão cumprida!

Anúncios

6 comentários sobre “Meus garotos de Liverpool

  1. Oii! Olha, sou estudante de Jornalismo e beatlemaníaca de carteirinha, e acabei de começar meu TCC1 e queria muuuuito fazer uma monografia sobre os Beatles! Comecei minhas pesquisas hoje, e logo achei seu blog e esse texto! Primeiramente, parabéns!! E eu gostaria muuito de saber qual foi o seu tema! Preciso dar um foco melhor no meu, e ainda estou meio perdida! E se pudesse me indicar algumas bibliografias, se não for pedir muito, seria eternamente grata! Desde já, obrigada! Beeeijos!
    meu contato: paula_zozimo@hotmail.com

  2. Oi Bruna, tudo bem? Já vi que você é expert em Beatles. Acabei de terminar uma pesquisa sobre percepção estética e prática de escuta sobre o Sgt. Pepper’s, e embora não ache que eu seja mais fã do que você, também fui meio metralhada pelo não-distanciamento do meu objeto de estudo. Sou de Comunicação-Jornalismo. Qual sua área de pesquisa? Sobre o quê foi sua monografia? Será que a gente pode trocar uma ideia? Me manda um email! celinapereira@gmail.com Queria continuar na linha da pesquisa pra monografia, mas vou ter alguns impedimentos de normas de TCC pra fazer isso.
    Abraço!!! 😀

    • Oi, Celina!
      Primeiro, que eu AMARIA dar uma lida nessa pesquisa. Mandei um e-mail pra você. Como eu disse, no que eu puder ajudar, farei com a maior alegria.
      Obrigada pelo comentário! 😀

  3. Oi, Bruna!
    Também sou estudante de jornalismo e sei que, para fazer um TCC, não precisamos apenas gostar do nosso tema, mas amar. Tenho muitas ideias sobre como abordar os Beatles e jornalismo e queria saber mais um pouco sobre o assunto da sua dissertação para eu respirar novos ares e achar meu caminho.

    Agradeço desde já e YEAH YEAH YEAH!! 😀

    • Oi, Lucas! Pode me mandar um e-mail no brubpinheiro@gmail com o que você quer falar no TCC. No que eu puder ajudar, responderei!
      Obrigada pelo comentário e boa sorte no trabalho! 😀

Solte o verbo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s